07 abr

Relacionamento com a platéia

O público e você

Neste episódio, você vai descobrir como lidar com uma platéia, com o seu público, durante uma apresentação ou palestra, com dicas esclarecedoras.

Texto integral do vídeo

Oi pessoal, tudo bem? Estamos aqui para mais um episódio, e gostaria de falar com a minha colega Eunice Mendes sobre a relação que o palestrante tem com a platéia, com o público.

Às vezes o público é agradável, é receptivo, mas muitas vezes também há pessoas que hostilizam, que querem nos desafiar, não é isso? O que podemos fazer para controlar e gerenciar esta relação, Eunice?

Quando você receber uma pergunta agressiva, procure não se deixar contaminar, a agressividade não é sua. Você não precisa ser agressivo. O que eu custumo fazer é pedir para o espectador, para meu ouvinte, repetir a pergunta. Quando você pede para essa pessoa repetir a pergunta a agressividade fica pela metade. E aí, enquanto isso você respira, e procura dar uma resposta esclarecedora e sem o sentimento da agressividade.

Nós estamos com esse contato com as pessoas, com os grupos, não para nós sermos violentos nem respondermos com violência. Nós estamos com esse relacionamento com a platéia pra podermos ser educados, pra podermos ser inteligentes e sensíveis.

Eunice, e em relação às piadas? Você acha aconselhável a pessoa utilizar, contar? O que pode ser feito? Porque muitas pessoas tem uma tendência e gostariam de começar, e mesmo durante a apresentação, fazer uma piada. É interessante ou não?

Eu evito a piada. Eu evito a piada porque a piada costuma carregar um tom preconceituoso. E isto afasta as pessoas. Eu preciso ter humanidade em nossa comunicação. Eu nunca utilizo uma piada em minhas palestras. O que eu procuro fazer é criar um clima de receptividade. Eu procuro estar bem humorada, eu procuro ser simpática, eu procuro demonstrar que eu estou ali para dar o que eu tenho de melhor. E para isso eu não preciso utilizar a piada.

E em relação à linguagem técnica, Eunice? Quais os cuidados que eu tenho que ter com relação a esta adaptação de linguagem?

A linguagem técnica para público leigo é uma forma de poder. E do pior tipo de poder possível: o poder de você querer se mostrar melhor do que a sua platéia.

Fale a língua do seu público. Fale para causar entendimento, para tornar comum uma mensagem. Fale para o outro compreender você, e não para mostrar que você sabe, e o outro não.

Vamos provocar o entendimento, a troca, a beleza desta comunicação eficaz.

Então Eunice, para ajudar o nosso telespectador, evite sempre a piada, ok? E, com a linguagem técnica, tome muito cuidado para não passar essa ideia de um poder desnecessário.

Pessoal, mais uma vez muito obrigado e até o próximo episódio.

Comments are closed.